Entrevista com ATF Sinner, líder da banda Hate

Instantes antes do show em São Paulo no último domingo – 15 de Abril –  foi possível fazer uma rápida entrevista com o ATF Sinner, líder da banda Hate. Ele comentou sobre a turnê, cena na Europa e preparativos para o novo CD.

 

Por Zeh Master
 

Rock Express: Visto que o Hate se encontra no Brasil para a promoção do álbum Erebos, há alguma história ou fato que gostaria de compartilhar sobre o processo de composição e gravação do novo album?

 

ATF Sinner: Bem, o processo começou logo após a tour pela America do Norte com o Hypocrisy, voltamos para casa após o período de um mes por EUA e Canadá. Estávamos muito cansados, mas dois dias depois de nossa chegada começamos o processo de gravação em estúdio. No começo foi um pouco difícil, para começar com o que havíamos escrito e gravar, mas depois foi suave e o álbum foi terminado em um mês pelo que me lembro. O álbum foi gravado no estudio Hertz na Polônia com os irmãos Wieslawski e o álbum foi lançado pela Listenable Records, uma companhia Francesa. Não houve nada realmente anormal, foi um trabalho bem grande.

 

RE: Após um mês fora de casa ajudou então a colocar toda força e raiva nesta gravação?

 

ATF: É, faz parte de nosso trabalho e o fazemos já a algum tempo. Se você é um músico que se apresenta no palco e também grava álbuns você tem que saber combinar estas duas coisas e ser bom tanto em uma quanto em outra, visto que ambas são muito importantes e não é muito fácil combiná-las, pois se está em turnê é muito dificil se focar em composição.

 

RE: Estava lendo algumas impressões dos fãs, principalmente no site Metalstorm, e as notas que as pessoas colocam nos álbuns são sempre altas, 8 ou 9. Como você faz isso, deixar as pessoas sempre felizes com seus álbuns por todos esses anos? Alguma idéia do porque?

 

ATF: Eu não faço idéia, sabe, estamos apenas fazendo nosso trabalho. Queremos que a música, em primeiro lugar, nos satisfaça, pois se estivermos satisfeitos com o que fazemos há uma chance de que as pessoas também estejam. Se não estivermos contentes com o resultado duvido que alguém também fique. Nós apenas seguimos nossa intuição quando estamos compondo, criando artworks, a mensagem, e tudo mais, tentamos seguir nossa intuição e calculamos o resultado.

 

RE: Como está a cena na Europa e Polonia após o ocorrido com o Nergal, um ou dois anos atrás, em quase ser condenado por rasgar uma bíblia? As pessoas estão com medo, contentes com a promoção gratuíta ou elas nem estão ligado para isso?

 

ATF: Não mudou muito, na verdade, mesmo com toda essa polêmica com o Nergal, não mudou a cena. Muitas pessoas pensam que o que o Nergal fez foi apenas propaganda, você sabe, ele não acredita nisso realmente. As pessoas pensam, também, que foi simplesmente calculado.

 

RE: Ninguém levou uma bíblia ao concerto e jogou nele!

 

ATF: Exatamente, era parte do show, não era nada controverso, sabe, apenas parte da performance.

 

RE: Mas mesmo quase sendo condenado pela justiça não mudou nada?

 

ATF: É, a Polonia é um país tradicionalmente católico e o pessoal ficou ofendido, especialmente um político que já estava perseguindo Nergal por algum tempo e estava esperando uma oportunidade como esta para processá-lo e levar à corte.

 

RE: Quais são os planos para o novo álbum? Você havia comentado anteriormente que em Novembro estaria pronto, mas você já tem um nome, trabalhos de arte, local de gravação?

 

ATF: Bem, eu tenho como 6 faixas prontas no momento e eu acho que umas 4, 5 ou 6 que ainda estamos trabalhando. Ele com certeza será diferente do Erebos e dos outros álbuns que fizemos, mas não queria falar muito a respeito dele ainda pois há muito o que ser decidido. Estamos trabalhando nos samples, nos coros, em coisas diferentes que estarão no álbum mas ainda não é o trabalho final, estamos na pré-produção então é ainda muito cedo para determinar como ele irá ficar. Ele será diferente, com certeza.

 

RE: Pessoas gostam de algumas mudanças.

 

ATF: Espero que sim!

 

RE: Sua última visita foi em 2009, e parece que as pessoas não esqueceram do Hate. Como foi o show de Curitiba?

 

ATF: Foi legal em Curitiba e antes ainda no Rio de Janeiro. Nos temos uma base de fãs aqui no Brasil que estão interessadas no que estamos fazendo. Foi uma grande oportunidade em voltarmos para o Brasil e espero voltar muitas e muitas vezes nos próximos anos. Isso é algo importante para nós, apreciamos as mensagens que os Brasileiros escrevem para nós em emails, Facebook e tudo mais, nos dando o suporte e motivação para fazermos o nosso melhor.

 

RE: Inclusive o clima Brasileiro?

 

ATF: É tolerável por alguns dias, estava bem quente no primeiro dia.

 

RE: Você sabe que hoje cedo estava ensolarado, mas pela sua visita o tempo fechou e começou a ficar frio, não muito, um pouco… (referindo-se ao show em São Paulo)

 

ATF: Isso trará uma boa aura para o show!

 

RE: Obrigado pela entrevista. Você pode deixar uma mensagem para os fãs?

 

ATF: Aqui é o ATF Sinner, do Hate, eu gostaria de deixar uma mensagem para a galera do Rock Express: suportem o Metal Extremo com uma mensagem, que é obviamente Hate!


Leia também:


Compartilhe

Comente