Clan of Xymox – entrevista com Ronny Moorings

Após seis anos longe do Brasil, a cultuada banda Clan Of Xymox, ícone majoritário da darkwave/gothic, está de volta ao país para uma super performance. O grupo é atração principal da Dark Dimensions Party, que acontece no próximo dia 18 de maio, na Inferno Club, em São Paulo. E como não poderia ser diferente, os reis da escuridão prometem fazer mais uma histórica e memorável exibição aos fãs brasileiros.

 

Neste momento, o Clan of Xymox promove sua mais recente obra de arte, “Darkest Hour”. Na entrevista abaixo, o líder Ronny Moorings comenta sobre a expectativa da banda em tocar novamente no país, revelou que já estão compondo um novo trabalho e comenta sobre os altos e baixos da carreira, além de outras impressionantes curiosidades.

 

por Costábile Salzano Jr – The Ultimate Press

 

Costábile Salzano – O que o público pode esperar desta nova apresentação do Clan of Xymox no Brasil?

Ronny Moorings: Esta é mais uma questão do que nós esperarmos do público!? (risos) Da última vez, foi uma experiência incrível, o público foi tão entusiasmado e acolhedor que nos deu arrepios. Então, esperamos que esta nova experiência seja uma espécie de volta ao lar.

 

CS – O que você pode nos adiantar sobre o repertório que vão apresentar por aqui. Alguma surpresa?

Ronny Moorings: Eu realmente não gosto de discutir meu setlist de antemão, porque esta seleção deve ser uma novidade para o público, sem expectativas para esta ou aquela música em especial. Posso dizer que vamos equilibrar todas as nossas obras, mas é claro que vamos destacar algumas novas composições que são muito importantes neste momento. Portanto, algumas coisas especiais estarão programadas.

 

CS – Muitas bandas estão desembarcando no Brasil. Qual será a carta na manga que você vão tirar para tornar o show do Clan of Xymox inesquecível para seus fãs?

Ronny Moorings: Podem ter certeza que temos muitas cartas extras. Nossa performance terá um show de laser, adereços que descem do teto, projeção de filme em 3D, 20 telas de vídeo, som surround estéreo, cinco estrelas famosas, dançarinas de topless, obras de arte feitas especialmente para a noite e um conjunto exclusivo compôs e gravou para o Brasil. (muitos risos). Brincadeira. Nossos fãs estão ansiosos para ver e ouvir o que temos apresentado na Europa. Nada mais que isso.

 

CS – Clan of Xymox ficou mundialmente conhecido por lançar excelentes discos. “In Love We Trust” foi um dos melhores recentemente. Qual foi a motivação durante o processo de composição de gravação do novo “Darkest Hour” para fazer um disco melhor que o anterior?

Ronny Moorings: Muito obrigado! Eu também continuo gostando muito do “In Love We Trust”. Cada álbum que eu faço tem uma forma independente do anterior. Eu não penso muito como as coisas devem sair. Em “Darkest Hour” foi novamente um álbum que saiu do jeito que era para ser. Estou muito satisfeito que a música “In Your Arms Again” foi utilizada no filme “Girl With The Tattoo Dragão”. Estou muito feliz com a forma de que este trabalho foi recebido pelos fãs e pela imprensa.

 

CS – Após lançar muitos discos, que a sonoridade da banda vai passar por alguma mudança?

Ronny Moorings: Penso que eu encontrei o meu som ou o meu jeito de criar, mas ainda sinto a necessidade de fazer alguma coisa um pouco diferente a cada álbum. Tenho uma forma libertina capaz de escolher entre guitarra, teclados ou usar ambos. Isso me mantem pelo menos versátil. Cada músico está sempre à procura de seu próprio Santo Graal, a canção perfeita.

 

CS – Você é considerado um rei para os amantes da darkwave/gothic. Essa pergunta é um tanto peculiar e acredito que muitos dos seus fãs gostariam de saber. Como é o seu processo de composição? O que te inspira?

Ronny Moorings: Na maioria das vezes ou quase sempre, eu começo pela música. A música me inspira a pensar em certas experiências, que resultam em letra de um certo tipo. A experiência não é necessariamente a minha, poderia ser algo que ouvi ou vi. É claro que existem canções pessoais. Às vezes escrevo músicas sobre coisas mais abstratas ou inspiradas por um livro que li.

 

CS – O Clan of Xymox tem sido a atração principal de diversos festivais europeus. O que você tem a dizer sobre esses eventos. Existe um favorito?

Ronny Moorings: Cada festival tem a sua própria característica. Até hoje, gostei de todos em que tocamos (risos). Os festivais aqui na Europa, como você bem sabe, acontecem no verão. Alguns tem edições com vários dias, outros são mais simples, mas todos são super divertidos, agradáveis e bem organizados. Espero que todos continuem a ser bem-sucedidos como são.

 

CS – Que tipo de música você tem escutado? Alguma indicação?

Ronny Moorings: Eu estou meio por fora da cena do heavy metal, mas sempre há novas bandas surgindo apresentando materiais interessantes. Curto muito indie rock e coisas na linha do Joy Division. Neste momento, eu realmente curti uma banda chamada Tying Tyfanny. Eles soam como uma versão melhorada do X Mall Deutschland, muito bom.

 

CS – Vamos falar mais sobre o novo disco. Há alguma música a qual você está particularmente mas feliz de ter gravado? A resposta dos fãs determina que esse é o seu melhor disco?

Ronny Moorings: Na minha opinião, todas as músicas são importantes. Acredito que cada música deve ter o poder de te tocar lá no fundo. No entanto, é claro que cada composição passa por uma seleção e precisa estar adequada com a proposta do disco e passar pelos critérios para não acabar na prateleira. A resposta dos fãs é muito importante, mas só terei certeza disso quando tocarmos mais vezes as novas músicas novas ao vivo para ver se funcionam ou não.

 

CS – Cada trabalho do COX tem um tema e uma vibe diferente. Como você poderia descrever esse novo disco?

Ronny Moorings: Creio que este é um álbum mais atemporal. Minha paixão por grandes melodias sensuais, experiências místicas de som e ritmos de dança de sedução é tão indestrutível como sempre foi. Melancolia, energia e determinação regra “Darkest Hour”, um disco com faixas como “My Reality” ou o hit hipnótico “My Chicane” irá funcionar em qualquer pista de dança, mas que também oferece entretenimento envolvente em hinos como “Dream Of Fools “ou uma doce canção como” Wake Up My Darling “. “Crowned”, como de costume, trazem meus vocais na paixão necessária para a sombria Dark Wave.

O novo álbum traz dez modernos clássicos da Dark Wave prontos para ser imediatamente introduzidas no cânone da música sombria. “Darkest Hour” é música para a noite, é a música para a vida e a morte, é a música para a eternidade.

 

CS – Quais foram os pontos positivos e negativos da sua carreira?

Ronny Moorings: O ponto alto continua sendo o show para mais de 20 mil pessoas na Cidade do México, em grande estádio. Nós lançamos algumas gravações deste show em 2.000. Os piores momentos, eu bloqueie da minha mente. Minha última música chamada “Delete” é inspirada nestes sentimentos.

 

CS – Vocês já se apresentaram em diversos países. Qual foi a experiência mais interessante?

Ronny Moorings: Com certeza, Machu Picchu. Nós tínhamos um show no Peru e os organizadores nos convidaram para conhecer aquele fabuloso lugar. Foi como se um sonho tivesse se tornado realidade e ainda ter uma das mais maravilhosas experiências da minha vida.

 

CS – Quais são os planos do COX para 2012?

Ronny Moorings: Estamos agendando algumas apresentações pelo Mundo. Este fim de semana, tocaremos em um festival em Budapeste, Hungria. Além disso, eu estou trabalhando em um álbum especial, que deve ser lançado em setembro.

 

CS – A The Ultimate Music – Press parabeniza pelo excelente novo disco e agradece pela entrevista. Por favor, deixe um recado aos fãs brasileiros.

Ronny Moorings: Muito obrigado pela atenção e pelo apoio. Com certeza não vemos a hora de reencontrar nosso amigos e fãs em São Paulo. Esperamos encontrar todos vocês de novo. Vocês são os melhores!

 

Para mais informações sobre o show e vendas de ingresso acesse: http://www.darkdimensions.com.br


Leia também:


Rock Express

Esse texto foi escrito por um colaborador do Rock Express.

Compartilhe

Comente