Underoath, Escape The Fate e Protest The Hero em SP – 27 de Maio

Mais uma vez a produtora Liberation MC conseguiu reunir no mesmo palco e no mesmo dia três grandes nomes no New Metal atual e encheu o Carioca Club em São Paulo com um público jovem e empolgado para ver de perto as bandas Protest The Hero, Escape The Fate e Underoath

 

Por Klemer Santiago / Fotos Luciano Piantonni

 

Conforme havia sido anunciado, às 17h30, os primeiros à subir no palco foi a banda Canadense de Metal Progressivo Protest the Hero, formada por Rody Walker nos vocais, Luke Hoskin e Tim Millar nas guitarras, Arif Mirabdolbaghi no baixo e Moe Carlson na bateria. O público simplesmente ficou maluco ao ver os caras. Os guitarristas tocaram muitos riffs com a técnica “two hands” preenchendo as músicas com vários de pequenos solos e em sincronismo absurdo. O baixista não ficou pra trás esbanjando habilidade técnica, muitas vezes acompanhando os velozes guitarristas. O baterista Moe Carlson mostrou grande domino no pedal duplo e junto com a banda desenvolve uma sonoridade que lembra influências da banda Symphony X.

 
Photobucket

O vocalista Rody Walker mostrou total sintonia com o público através de suas melodias e vocal rasgado executados com muita técnica. Nos entremeios das músicas Rody mostrava carisma com o público e comentou: “Nós somos do Canadá. Temos muito orgulho de sermos do Canadá e  muito orgulho por estarmos no Brasil.” Ele também compartilhou em tom de brincadeira um pequeno problema que teve quando um fã tentou levar um “souvenir” da banda antes do show: “Cadê o cara que tentou roubar os meus óculos? Olha esses óculos não são para me proteger do sol.. eles são para enxergar mesmo! Eu falei uns palavrões pra ele e ele me devolveu o óculos, depois fiz as pazes com o cara.”, o que demonstra o quando os fãs brasileiros ainda despreparados para respeitar seus ídolos internacionais.

 

Apesar da banda não ter uma grande performance de palco, ela se destacou por seu metal de peso com muitos ritmos variados, que foi inclusive motivo de piada nas palavras de Rody: “Nós não balançamos muito nossa cabeça, nem nos mexemos muito no palco. Porém, tocamos um instrumental muito intricado e difícil… A verdade é que nós somos canadenses gordos, que toma muita cerveja e se droga… Não estamos incentivando vocês a se drogarem, pois todos sabem que estando sóbrio pode-se divertir e muito” corrigiu ao final!

Photobucket
Set Lists Protest The Hero

Sex Tapes

Bloodmeat

Termites

Turn Soonest to the Sea

Limb from Limb

Hair-Trigger

Blindfolds Aside

Sequoia Throne

C’est la Vie

 

Com uma postura completamente oposta a primeira apresentação, a esperada banda Americana Escape The Fate – formada por Craig Mabbitt nos vocais, Bryan “Monte” Money na guitarra solo, Michael Money na guitarra base, Thomas “TJ” Bell no contrabaixo e Robert Ortiz na bateria – foi a segunda a entrar no palco e não paravam agitar um segundo sequer. Até mesmo o baterista não parava quieto, levantando-se sempre que podia, engrandecendo ainda mais sua presença de palco.

 

O vocalista Craig agradeceu o público e pediu para todos aplaudirem a banda de abertura Protest The Hero, e também e mais importante para aplaudirem a si mesmos, pois sem o público presente, não haveria o show, nem a banda. Tal comentário pode ter se dado principalmente pelo fato dos recentes acontecimentos que impediram a banda de vir ao Brasil em Abril, e que os exaustivos pedidos dos fãs fizeram com que eles fossem “encaixados” nesta nova Tour.

 
Photobucket

Demonstrando grande carisma com o público, ele pedia para a galera pular e cantar junto.
Antes de tocarem “You are so Beautiful”, Craig elogiou e comentou que aquele público era “So Beautiful” e portanto essa música seria tocada como uma forma de agradecê-los pelo carinho. O público ficou extasiado, frenético e cantavam em uma única voz. Durante o solo de guitarra, o vocal inesperadamente deu um mosh no público, saltando a distância que separava a grade até o palco.

 
Photobucket

Enquanto o público carregava Craig nos braços, os seguranças da casa enlouqueciam tentando buscá-lo, mas foi em vão, quando o vocal foi “Engolido” pela massa e desapareceu, e só voltamos a vê-lo quando acabou o solo de guitarra e ele voltou a cantar, bem ali no meio do público. Ao retornar ao palco, ele estava todo detonado, com a camiseta completamente rasgada, que logo foi jogada para o público.

 

Craig aproveitou a diversão e colocou um sutiã que havia sido jogado ao palco e cantou um trecho da música usando-o, o que levou os fãs ao delírio.

 

No final eles agradeceram a presença do público, que os aplaudiram muito.

 

PhotobucketSet List Escape The Fate

Choose Your Fate

10 Miles Wide

Issues

The Flood

Something

Day of Wreckoning

Revenge

You Are So Beautiful

Gorgeous Nightmare

This War is Ours (The Guillotine II)

The Aftermath (G3)

 

Após 4 anos desde sua primeira apresentação aqui no Brasil, a banda Americana Underoath iniciou seu show às 20h10. Originada na cidade de Tampa, Florida, a banda formada por Spencer Chamberlain nos vocais, Grant Brandell no contrabaixo, Daniel Davison na bateria, Christopher Dudley nos teclados, Timothy McTague e James Smith nas guitarras a banda demonstrou um som mais pesado do que os das bandas anteriores.

 

O vocalista Spencer, que possui uma técnica apurada, misturando vocais limpos e rasgados, sempre chamava o público para agitar, bater palmas e cantar junto. Ele também sentava no retorno e insinuava estar beijando um corpo de uma garota. Uma fã conseguiu invadir o palco e abraçou o Spencer, que estava de costas e não a viu chegando perto dele. Depois um segurança a removeu do palco com muita educação.

 
Photobucket

O tecladista e o guitarra solo são simplesmente malucos. Eles não param de agitar um minuto sequer. O tecladista possui um arsenal de teclados, sintetizadores, samplers e acreditem alguns surdos de bateria também. O interessante era que no meio da música, Christopher parava de tocar os teclados e ia correndo para perto do baterista, onde estavam seus surdos, ele pegava as baquetas, virava para o público, mostrava as baquetas e depois acompanhava o baterista nas batidas de breakdown ou tribais, tudo isso sempre agitando muito e levando a uma leve lembrança do que o Slipknot faz em seus shows!

 

Durante o bis de encerramento, antes da última música “WritingontheWalls” e o vocalista falou ao público: “Imaginem se for demorar mais 4 anos para nós voltarmos.. essa é nossa última música da noite e eu quero que vocês agitem o máximo que puderem como se realmente fossemos demorar mais 4 anos para nós voltarmos” em uma forte alusão aos 4 anos desde sua útima apresentação em solo Brasileiro em 2008.

 

Foi uma noite eletrizante. Com certeza todos os fãs saíram satisfeitos do show e terão muitas memórias de todas as 3 bandas.

 

PhotobucketSet List Underoath

Young and Aspiring

In Regards to Myself

Breathing In a New Mentality

In Division

It’s Dangerous Business Walking Out Your Front Door

The Created Void

Illuminator

Paper Lung

Moving for the Sake of Motion

To Whom it May Concern

A Boy Brushed Red Living in Black and White

Reinventing Your Exit

Writing on the Walls

 

Agradecimentos a Produtora Liberation MC e Luciano Piantonni (Assessoria LP Press)

Leia também:


Rock Express

Esse texto foi escrito por um colaborador do Rock Express.

Compartilhe

Comente