Manifesto Rock Fest em São Paulo – Live, 15 de Novembro

Durante os meses de Setembro e Outubro, o Manifesto Bar foi palco para a 12ª. Edição do Manifesto Rock Fest, com 5 etapas eliminatórias e 2 grandes semi-finais, culminando na grande final que aconteceu no último dia 15 de Novembro.

 

Por Edu Lawless

 

Foram no total 50 bandas, nas quais valorosos talentos ficaram pelo caminho, muitas vezes pecando por detalhes mínimos, com o tempo de apresentação, performance e principalmente público, já que um dos principais quesitos era o voto popular, e dessa forma as bandas que carregavam mais fãs acabavam levando uma vantagem na pontuação final.

 

Sobre o palco um  grande nuances de variados estilos de Rock, desde o Pop Rock até o mais Extremo, passando por Blues, Hard e outros gêneros!

 

Em uma vaga comparação ao reallity que passa na Sony Music – Breakout Brasil – eu diria que no mano a mano, no mínimo 7 das 10 bandas que participaram da final dariam uma coça feia nas bandinhas do Breakout, sem sombra de dúvidas.

 

A primeira apresentação da noite veio com a banda Greyskull Chapel, remetendo aos anos 90 em uma sonoridade das bandas mais pesadas do cenário de Seattle. A performance da banda que melhorou a cada edição acabou rendendo o segundo lugar da competição.
Alberta
Com pontuações muito próximas, devido a excelência de quase todas ao participantes da grande final, uma das grandes bandas da noite, foi o Alberta, trazendo ótimas composições do seu primeiro EP, com destaque para a música “Aperte o Play” e “Herois”.
Soublues
O interior de São Paulo foi representado pela animadíssima banda de Itu, Soublues, sob uma mistura de Blues, Rock´n´Roll, letras irreverentes e divertidas, agitando a galera o tempo todo, acabaram merecedores do prêmio de melhor composição juntamente com o Alkaisers, outra banda que trouxe uma musicalidade diferente e letras muito bem trabalhadas. Alias ambas as bandas dividiram também o quarto lugar da competição.

 

Os sons mais pesados da noite ficaram a encargo das bandas Muqueta na Oreia e Screams of Hate, com apresentações digníssimas, agitaram o públicos e fizeram a rodas se abrirem no Manifesto, o que acabou rendendo uma belíssima 3ª. posição para o Screams of Hate.
Screams of Hate
Como dizem os grandes sábios do show business, não adianta ter talento e técnica se você não possui público, lição mais que aprendida pelo pessoal do N-MI, que além de apresentar um grande show com seu Metalcore, levaram também uma legião de fãs que contabilizou para que vencessem o prêmio do voto popular.

 

Outro destaque ficou por conta do Arte Kerosene. em uma mistura de generos músicais, também chamou a atenção com letras extrovertidas e que renderam a seu guitarrista Gabriel Oliveira o prêmio de destaque ao festival.

 

Apesar de muitos levantarem a bandeira que o Hard e o Glam Rock já se tornou um item do passado com data de validade vencida, a banda Desert Dance provou exatamente o contrário sobre o palco, tanto visual como musicalmente a banda deu um show bem ao estilo da Sunset Strip dos anos 80, conquistando público, jurados e levando o primeiro lugar do festival.
Desert Dance
Como salientei no início, um Festival onde os primeiros lugares caberiam facilmente para várias das bandas finalistas, assim como para outras que por algum tropeço acabaram também ficando pelo caminho.

 

Galeria de Fotos

 

Agradecimento especial a todo crew do Manifesto (em especial Carlos, Victor e André) pelo apoio e suporte ao mesmo; aos jurados Fabio Hoffman, Ricardo Batalha, Walcir Chalas e Edu Garcia; e a todas as bandas participantes do projeto, em especial a todas aquelas que confiaram no trabalho profissional prestado como fotografo.

Leia também:


Compartilhe

Comente


  • Humberto

    Grupo Arte Kerosene? Califórnio 98?